QUANDO O TEMPO PARA…

“Dr. André, minha vida acabou!”. Escutei a terrível frase há cerca de 12 anos, mas ela nunca mais vai sair de minha cabeça. Não pelo que a frase significa, mas pelos motivos que fizeram minha cliente pronunciá-la.

O fim da vida talvez seja a questão que mais incomoda as pessoas. A tão temida MORTE pode ser considerada não somente o maior medo de quem está vivo, mas, também, um dos maiores mistérios que nunca resolveremos, pois é muito difícil aceitar que a vida tenha um fim.

Do ângulo de quem foi e não voltou, nada podemos dizer, sem ter de apelar para aqueles que creem não somente na vida após a morte, mas, principalmente, acreditam que é possível existir uma comunicação entre os dois mundos.

Para quem foi e voltou (refiro-me às pessoas que foram consideradas clinicamente mortas e retornam às suas funções biológicas normais), tudo é um grande mistério. Apesar da existência de vários pontos comuns nas chamadas experiências de quase-morte, a ciência pouco ou nada pode dizer sobre o fato, pois, quando o assunto é morte biológica, ou se morre, ou se permanece vivo. A quase-morte não é cientificamente passível de estudo, salvo se o cientista “abrir” a sua mente para longe dos paradigmas que regem a ciência. E, fazendo isso, para a sua comunidade, ele deixa de ser cientista, pois fé e ciência parecem ser coisas inconciliáveis.

O grande problema ocorre dentro da mente de quem esta vivinho e morre de medo de morrer. Pesquisas demonstram que 95% por cento das pessoas temem a morte e que 5% dos entrevistados mentem. Todos tememos a morte, sem exceções. Até mesmo aqueles para quem a vida é um fardo.

A vida de minha cliente havia acabado porque seu carro novinho tinha sido colidido na sua parte traseira por outro carro. Vou explicar melhor: minha cliente não sofreu um arranhão sequer. Nenhuma de suas unhas bem pintadas tinha perdido uma única lasca. Ela se referia, apenas, ao carro.

Usando de uma prática do Facebook, se você que está lendo essas palavras está sentindo uma vontade de voltar no tempo e esganar minha cliente, ou de arrancar-lhe as unhas com uma chave turquesa (se possível, com os dedos junto), compartilhe! Fato é que, enquanto eu pensava em alguma resposta bem cruel e ácida para responder a tamanha futilidade, comecei a caminhar pela minha sala e a olhar pelas janelas.

Do prédio onde meu escritório funciona, a partir de um determinado andar, da para ver o hospital Mater Dei.

Naquela fração de segundo, lembrei de quando minha irmã operou de hérnia de disco. Naquela época, enquanto aguardava a cirurgia ser realizada, caminhei pelos corredores do hospital, quando me deparei com um setor, onde as pessoas pareciam estar mais tristes do que o normal. Era a sala de espera da CTI. Para quem não sabe, CTI e UTI são os setores para onde são encaminhados os pacientes mais graves.

A lembrança daquele dia tornou ainda mais fútil e risível a frase que brotou dos lábios de minha cliente. Um lado meu queria muito lhe dizer umas verdades, tão aparentes naquele momento para mim. Mas, quem somos nós para julgarmos nossos semelhantes? A excessiva importância dada à uma batida no carro novo, provavelmente, era a manifestação de uma dor maior, em outro setor da vida.

Sorri para a cliente, passei o preço do meu serviço (neste momento, ela nada sorriu) e segui com a minha vida.

Obviamente, ganhamos a ação e, ironicamente, ao conhecer melhor a cliente, nas quase duas horas em que conversamos, aguardando a audiência de instrução, descobri que ela estava passando por um severo processo de separação judicial, com todos os requintes de crueldade possíveis (guerra pela guarda de filhos, partilha tumultuada de bens, pensão alimentícia atrasada, etc.).

Enfim, fiquei muito feliz por não tê-la julgado e condenado pelo crime de futilidade dolosa!

Vocês devem estar achando que a “moral da história” é que não devemos julgar, correto? Errado! Isso me parece bastante óbvio e tento sempre correr do que é óbvio. O que realmente quero contar para vocês é um momento pelo qual acabei de passar em minha vida.

Há cerca de um mês, recebi uma ligação de minha irmã mais nova. O tom de voz, por mais que ela tentasse disfarçar, sinalizava que alguma coisa grave tinha acontecido. Minha irmã ligava do hospital: nossa mãe tinha sofrido uma queda, durante à noite, e batido com a cabeça. E estava indo para CTI, para “ficar em observação”.

Quem me conhece pessoalmente sabe o quanto sou apaixonado por meu trabalho. Sou do tipo que sempre tem diante de si um microcomputador, um iPad, um iPhone; enfim, estou sempre conectado.

Naquele momento, o tempo literalmente parou! A agenda lotada, todos os compromissos urgentes, tudo desapareceu num passe de mágica. Nada mais importava. Desci rapidamente para o hospital e encontrei minha mãe, consciente, mas muito assustada com a iminente internação. Ela deveria ficar no CTI por três dias, três longos dias!

E assim foi feito. Num piscar de olhos, tornei-me uma das pessoas angustiadas e apreensivas que, há cerca de doze anos, vi na ante-sala do CTI. Pessoas para quem o tempo nada mais significava! Para quem o tempo havia parado!

Minha mãe, graças a Deus, saiu do CTI quase três dias depois. Parece pouco, mas dois dias e meio naquele lugar é tempo demais. E tinha tanta gente ali, sofrendo, há meses, que qualquer outro assunto perde sua importância.

Ela saiu dali para um quarto e depois para casa. Voltou quase um mês depois, quando operou e, com a bênção de Deus, ficou livre do hematoma que começara a incomodar. Graças à misericórdia divina, na época ela recuperou-se da cirurgia. Mas algo permaneceu em minha mente, que eu gostaria de compartilhar com vocês.

No momento em que o tempo parou, fiquei pensando nas vezes em que a visitei, nas vezes em que conversamos, nas vezes em que ríamos juntos, de piadas sem graça, contadas por nós dois. Observadores externos dizem que sou um “bom filho”, que sou presente. Então por que naquele tempo inerte, sentado ora na sala de espera do CTI, ora no quarto do hospital, pareceu que tinha tanto tempo que eu não a via?

Lembrei das centenas de vezes em que conversei com minha mãe enviando mensagens SMS, lendo emails; enfim, ocupado demais para dar toda a atenção que ela merecia. Lembrei de quanto tempo perdi, querendo abraçar o mundo, que por um capricho platônico, se recusa a ceder aos meus encantos.

Posso, enfim, deixar a tal “moral da história” para vocês. Não esperem o tempo parar para curtir as pessoas a quem amam. Aproveitem cada segundo da vida com os entes queridos, pois, numa fração de segundo, tudo pode mudar.

Cada segundo passado com nossos filhos, irmãos, pais, amigos, enfim, com todos aqueles a quem amamos, nunca deve significar um segundo a menos, e sim um tempo a mais.

Convivam mais, aproveitem mais, amem mais. Pois a vida como conhecemos só passa uma vez. A vida é um jogo de uma única partida, apitado por Deus – Juiz Supremo – a quem cabe, somente a Ele, dizer em que momento ela começa e, principalmente, o momento em que nos chama para Seus braços e apita o fim do jogo!

Essa é a moral da história que queria contar a vocês! Amem e vivam o amor, antes que a morte nos separe! Antes que seja tarde! Antes que o tempo pare!

André Mansur Brandão
Diretor-Presidente

ANDRÉ MANSUR ADVOGADOS ASSOCIADOS

E se ser feliz for uma opção?

Vou contar para vocês uma historinha que ouvi há muitos, muitos anos. Quem me contou foi um médico, que hoje é um de meus melhores amigos. Anos se passaram e a historinha continua cada vez atual e mais presente em minha vida. Sempre que posso, conto para alguém, imaginando que ela possa ajudar outras pessoas tanto quanto me ajudou. Vamos a ela?

Um homem caminhava em direção a uma pequena padaria para realizar suas compras matinais. Ao entrar, depara-se com uma cena que lhe chamou muito a atenção. Um outro senhor, de vestes humildes, estava sentado exatamente na porta de entrada do estabelecimento, ao lado de um pequeno cãozinho que, sem qualquer motivo aparente, chorava baixinho, muito baixinho.

Mesmo incomodado com aquela estranha cena, o homem entrou na padaria e realizou suas compras. Ao sair, todavia, não resistiu, e perguntou ao humilde senhor que ainda estava sentado, no mesmo lugar, exatamente na mesma posição, ao lado do cãozinho que continuava a choramingar, baixinho, muito baixinho:

– O senhor desculpe incomodá-lo, mas por que esse cachorrinho que está sentado ao seu lado está chorando?

– O outro homem prontamente respondeu:

Ele chora porque está deitado sobre um prego e isso lhe causa dor!

Perplexo com a inusitada resposta, vinda daquele senhor de vestes tão simples, o estarrecido homem torna a perguntar:

– Mas que cachorro idiota! Se o prego tanto o incomoda, por que ele simplesmente não se levanta e sai de cima e segue sua vida?

Neste momento, o senhor que estava sentado, levantou-se, olhou fixamente para o homem que o inquiria, e disse:

– O cachorrinho não se levanta porque não está doendo o suficiente.

Dizendo isso, sorriu e saiu caminhando em direção a um destino incerto…

Eu poderia parar aqui, deixar vocês sozinhos e pensativos, refletindo sobre a bonita estorinha. Mas não consigo. Em minha profissão, e durante toda a minha vida, vi muita gente, que a exemplo desse cãozinho, aprendeu a conviver com o sofrimento e com a dor. Eu mesmo, por diversas vezes, flagrei-me nesta situação.

Qual seria, contudo, o motivo pelo qual muitos de nós permanecemos deitados sobre pregos, vivendo por anos e anos situações de angústia, de dor e de sofrimento, sem nada fazermos para, ao menos, aliviar nosso sofrimento?

A resposta não é simples.

Muitos acreditam na purificação pela dor. Muitas religiões até mesmo pregam o sofrimento como forma de purificação e de evolução. Pedindo perdão pela arrogância, ouso discordar. Acredito que Deus tenha criado o homem para ser feliz. Assim, nosso estado natural é a felicidade. O sofrimento e a dor são anomalias da alma, que Deus nos permite sentir, para que possamos ter referenciais. Para que possamos saber o que buscar. E o que Deus nos programou para buscar é a felicidade.

Não creio, todavia, que o principal motivo que mantém muitos de nós “deitados sobre pregos” seja uma opção pelo sofrimento, visando a nossa purificação. Acredito, sinceramente, que a principal causa de permanecermos em dor seja o medo que sentimos de enfrentar o sofrimento e de rompermos as barreiras das angústias que a vida, às vezes, impõe.

Sair de cima do prego pode ser muito, muito doloroso. Inconscientemente, imaginamos que uma dor controlada e “familiar” possa ser muito “melhor” do que uma dor desconhecida. Romper um estado de sofrimento não é nada fácil e muitos optam por ficar, a exemplo do cachorrinho da estória, deitados sobre as agruras, por temer a dor maior, que poderá vir se levantarmos em direção ao desconhecido.

Quebrar o ciclo da dor, das angústias e do sofrimento não é nada fácil. Ao contrário. Das empreitadas da vida, talvez seja a mais difícil. Mas é exatamente o que Deus quer de nós. É o que Ele, em sua bondade máxima, deu aos seus filhos: o livre arbítrio! A possibilidade de escolher.

Assim, ESCOLHA SER FELIZ!

Se voltarmos no tempo, em nossas mentes e nossos corações, poderemos encontrar o exato ponto em que nossos sonhos se perderam. Não convido ninguém a viver no passado, mas peço que visitem os momentos mais doces de suas vidas e recuperem seus sonhos mais puros. Pois descobrindo o momento em que os nossos sonhos foram abandonados, podemos saber, exatamente, o momento em que deitamos sobre pregos; o momento em que começamos a sofrer. Pois sofrer nada mais é do que parar de sonhar!

Sair do sofrimento pode ser uma dura tarefa. Respeito muito e nunca julgarei os que escolherem o caminho da dor menor, ou seja, o caminho do sofrimento. Apenas rogo que se lembrem de que ser feliz pode ser uma opção! E se encontrarmos na memória de nossa alma a imagem de como seria a vida sem o sofrimento e sem a dor aos quais nos acostumamos, essa dura caminhada poderá ser menos difícil.

E o prêmio final será uma vida mais leve, uma vida mais pura, uma vida mais feliz!

Pois, assim como sofrer, SER FELIZ PODE SER UMA OPÇÃO!

Sei que muitos de nós associamos o momento da virada de um ano a uma possibilidade de mudanças. Planos são feitos e sonhos são rebuscados. Quem sabe este é o momento de uma decisão em nossas vidas… Por que não? Por que não AGORA?!

Desejo a TODOS, que tiveram a paciência para ler estas palavras, que o ano que se aproxima seja um ano maravilhoso. Ou melhor, que seja O ANO! O primeiro de uma série de inúmeros outros anos maravilhosos, vividos a partir da escolha de SER FELIZ!

 

André Mansur Brandão
Diretor-Presidente

ANDRÉ MANSUR ADVOGADOS ASSOCIADOS

Tragicomédia da vida real

Mistério na Serra do Rola-Moça. Uma história de amor e crime! Ou será que nada disso aconteceu?

Quem conhece Minas Gerais, sabe como são lindas as nossas montanhas. Cidades e vidas construídas em um relevo de tirar o fôlego até mesmo de Deus, que as criou.

Perto de Belo Horizonte, capital Mineira, exite um pequeno povoado, pertencente ao município de Brumadinho, chamado Casa Branca. Um pequeno paraíso incrustado no meio da mata, descoberta pela coragem dos que vencerem as sinuosas e estreitas estradas que levam até lá.

Quase chegando em Casa Branca, no alto da serra, quando a estrada se cansa de tanto subir, existe um estratégico mirante, que proporciona um dos mais lindos pores-do-sol de que se tem notícia nas Minas Gerais.

Lugar certamente criado por Deus, caprichosamente, para a contemplação, sempre visitado por casais enamorados, e pelos que não se fartam de curtir o belo espetáculo que a natureza proporciona.

O local fica dentro do Parque Estadual da Serra do Rola-Moça, assim apelidado por um conto popular, segundo o qual, após uma cerimônia de casamento, marido e mulher cavalgavam em destino à sua casa, quando o cavalo, guiado pela mulher, caiu na ribanceira, indo ao fundo do grotão.

O marido, desesperado, teria igualmente cavalgado em direção ao abismo, em busca de sua amada, tendo ambos morrido, de forma trágica, em uma curta estória de amor e morte.

1º. ATO

Uma jovem mulher, com idade entre 20 e 25 anos, olhava fixamente para o abismo. Estranhamente, começou a caminhar, lentamente, em direção à borda do penhasco, ficando, a cada passo, em situação cada vez mais perigosa.

Percebendo que algo na situação não estava normal, algumas das pessoas que por lá estavam, registrando o espetáculo da natureza em seus celulares e mentes, chamaram a polícia que, rapidamente, compareceu ao local.

Tentativas de contato, sem resultado. A cada aproximação dos valentes policiais, a mulher se encaminhava, ainda mais, para a beira do abismo. Ignorava os apelos, como se estivesse hipnotizada por uma tristeza profunda, sem se importar com a beleza deslumbrante do local, principalmente do sol, que se preparava para se por.

A tensão não parava de crescer.

Repentinamente, um homem que passava vagarosamente pelo local, conduzindo uma robusta motocicleta, aproximou-se da cena. Sem muitas delongas, desceu do poderoso veículo e aproximou-se da mulher, dizendo-lhe:

– Menina, você está muito linda para morrer. Posso me aproximar?

Era um homem de pouco mais de 30 anos. Apesar da pouca idade, já apresentava seus cabelos levemente grisalhos. A pele bronzeada pelo sol envolvia o corpo forte e musculoso.

Estranhamente, a mulher que até então parecia estar totalmente anestesiada pela dor, prostrada diante do abismo que parecia ser seu destino, consentiu com um gesto afirmativo a aproximação do homem que, sem hesitar, postou-se ao seu lado.

Pela eternidade que duraram alguns segundos, ambos ficaram ali, parados, um ao lado do outro, olhando ambos para o lindo pôr do sol, que já se iniciara. A pequena multidão que se formara assistia a tudo, calada, um misto de tensão e esperança.

O homem, então, virou-se de frente para ela, que o acompanhou no movimento sutil. Como nos filmes de ação, mesclados por um romance improvável, algo aconteceu naquele olhar. Ambos ficaram, um de frente para o outro, tendo o abismo como companheiro, e o lindo espetáculo da natureza, ao fundo, como paisagem, em um verdadeiro show de luzes e sensações.

O homem, de forma inusitada, mágica e muito carinhosa, pediu à bela mulher:

–  Você me daria um beijo antes de se atirar no abismo?

Ela sorriu, de forma tímida, e, um pouco envergonhada, fechou os olhos, consentindo silenciosamente. Ele, então, aproximou-se ainda mais, até que seus corpos se colassem. Deu-lhe um beijo na boca, longo e romântico, para os aplausos emocionados de todos que acompanhava a inusitada cena de amor.

No exato momento em que seus lábios se separaram, o homem, ainda segurando as delicadas mãos da garota, olhou profundamente nos olhos dela e perguntou-lhe:

– Porque você quer se matar? Se consegue ser mais linda que o mais lindo dos pores de sol?

Ela respondeu:

– Eu queria tirar a minha vida porque os meus pais não me deixam vestir de mulher, nem aceitam que eu opere e faça mudança de sexo.

Até agora ninguém sabe se foi ela que pulou ou foi o misterioso homem que a empurrou…

2º. ATO

Para tranquilizar os leitores que estão, nesse momento, estarrecidos com o trágico final, informo que essa estória jamais aconteceu. Recebi, como piada, em um grupo de whatsapp, e resolvi dar alguma utilidade a ela.

Milhares de transsexuais são vítimas no Brasil de diversos tipos de violência, sejam as clássicas agressões corporais, sejam as mais cruéis formas de tortura psicológica e emocional. Até mesmo dentro de suas casas, onde, a grande maioria tem de conviver entre a agonia do anonimato e a covardia do preconceito, inclusive daqueles que são biologicamente programados para lhes amar.

Somos um País de machões, que exercem suas fobias de forma impiedosa contra homens e mulheres trans, simplesmente porque não os conhecemos, ou não os entendemos. Para milhares de pessoas, fatos simples de nosso cotidiano, tornam-se um verdadeiro pesadelo, como, por exemplo, frequentar um banheiro público.

Motivos de piadas, a vida dos transsexuais fica mais difícil a cada dia, motivo pelo que, usei do recurso do humor, ainda que em sua forma cruel, para chamar a atenção das pessoas de bem para nossos irmãos, que vivem em dor, e sofrem pelo escárnio e pela maldade dos chamados “normais”.

Eu me sinto em dívida, sim!

Vergonhosamente, confesso que não somente já ri de piadas de mau-gosto, envolvendo a comunidade trans, como já as propaguei, até que, há alguns anos, eu me deparei com uma cena que mudou a minha maneira de pensar.

Moro em um bairro de classe média de Belo Horizonte. Adoro sair aos domingos, pela manhã, comprar pães quentinhos e tomar um delicioso café da manhã, com queijo Minas e, de vez em quando, é claro, saborear nossos deliciosos pães de queijo.

Meu bairro é cheio de padarias e sempre costumo andar, entre uma e outra, para achar exatamente aquela que acabou de tirar uma fornada bem fresca e quentinha.

Em um desses domingos, quando retornava à minha casa, uma cena me aterrorizou, marcando-me para o resto de minha vida.

Uma mulher trans encontrava-se desmaiada, toda machucada, jogada no canto de uma calçada. Os ferimentos pelo corpo eram muitos, mas o que mais preocupava era um corte enorme na cabeça da mulher.

As pessoas passavam por ela e nada faziam. O ferimento da cabeça já tinha uma parte coagulada, o que demonstrava que, seja lá o que tivesse acontecido com ela, já fazia algumas horas.

A alguns metros de distância havia uma farmácia. Corri até lá e chamei o balconista (o farmacêutico não estava). Ele, prontamente, foi até o local comigo e disse que a mulher precisaria de pontos com urgência. E de fazer um exame de imagem. Aconselhou-me que não tocasse nela, pois eu poderia agravar as lesões, no caso de algo na coluna.

Eu sou Advogado, gente, e já trabalhei em diversos casos envolvendo lesões graves. Já prestei socorro em acidentes em estradas, já vivi um bocado de coisas bem complexas. Mas confesso: poucas experiências na vida me afetaram tanto como a daquele dia.

Acionei a Polícia Militar, que chegou quase instantaneamente. Alguma alma bondosa já tinha chamado o serviço de emergência médica – SAMU, que chegou quase quarenta minutos depois de acionado, mas somente dez minutos depois da polícia.

Rapidamente, os hábeis profissionais iniciaram os primeiros atendimentos. Em seguida, a mulher foi imobilizada na maca e colocada, ainda inconsciente, dentro da viatura, que seguiu, certamente, para algum hospital de traumas, provavelmente o Hospital João XXIII, um dos melhores do Brasil, muito pouco divulgado pela mídia, lamentavelmente.

ATO FINAL

As estatísticas ainda são muito confusas, mas nunca a comunidade trans foi tão vítima de atos extremos de violência e preconceito praticados por criminosos, disfarçados de pessoas comuns. Os crimes motivados pela homofobia, igualmente, propagam-se pelo Brasil afora.

Uma análise superficial poderia indicar que existe uma relação clara entre os dois fatos acima. E provavelmente há, já que muitas pessoas, mesmo que digam o contrário, ainda estão longe de aceitar como normais as manifestações “não convencionais” da sexualidade humana.

Um fato adicional, todavia, chama particularmente a atenção, obrigando-nos a ampliar a avaliação desses fenômenos: dispararam as estatísticas dos crimes praticados contra as mulheres. Igualmente crescem os crimes motivados pelo racismo.

O que todos os casos acima possuem em comum? O ódio!

Sim!

A transfobia, a homofobia, a violência contra as mulheres e as manifestações expressas de racismo encontram o seu fundamento no mesmo sentimento inferior, no caso, o ódio que, levado a extremos, transforma cada vez mais pessoas em agressores e assassinos.

Entender a correlação entre esses fatos sociais é indispensável. Não somente para a implementação de políticas públicas que garantam os direitos das vítimas, reais e potenciais, mas, principalmente, para fins de uma prevenção efetiva, que passa, certamente, pela educação familiar, escolar e social.

Aprendi que o amor é sentido, mas o ódio pode ser ensinado. E, se pode ser ensinado, pode ser evitado, combatendo-o na sua origem, através da conscientização de quem o propaga.

Seja conscientemente, através de atos expressos e criminosos contra nossos semelhantes, seja na forma de piadinhas pretensamente “inocentes”, que transformam o ódio latente em um sentimento hereditário.

“Eduquem as crianças e não será necessário castigar os homens!”

A frase de Pitágoras é perfeita em sua essência. Ousamos, todavia, agregar a ela uma outra citação, de autoria ainda não confirmada, para mim:

“Os defeitos dos filhos são filhos dos defeitos dos pais”.

Se queremos mudar o mundo para melhor, que tal começarmos mudando a nós mesmos? Afinal, que tipo de mundo queremos para os nossos filhos?

É hora de olharmos para dentro de nós e examinarmos se, consciente ou inconscientemente, estamos contribuindo, ainda que de forma mínima, para um mundo pior. Pois a última coisa que um pai quer deixar para seus filhos é o ódio, como legado!

Fiquem com Deus!

André Mansur Brandão
Advogado e Escritor

Habemus Papa!

Ou seria melhor dizer: “habemus tapas”?

Muito lamentável assistir à cena do Papa Francisco dando tapas em uma fiel, que segurou excessivamente a sua mão, quando cumprimentava fiéis na Praça de São Pedro.

Sou um apreciador das palavras e ações mundiais do Papa, desde que assumiu o posto maior da Igreja Católica.

Atos como esse, todavia, maculam o exemplo que ele deveria dar, de tolerância e de compreensão. Pior do que o ato, foi o pretenso “pedido de desculpas”, que, a meu ver, foi pouca coisa menos ruim do que o ato em si, pois Papa Francisco usou como defesa a sua condição de ser humano.

Sim, ele é falível. Mas dar tapas em alguém que provavelmente sofria, querendo um afago carinhoso, um aconchego na alma, mostra a intolerância que o Papa diz combater. Muitas pessoas buscam o toque, o contato físico com ele justamente pela aura de santidade que o cargo enseja. Por mais que eu, pessoalmente, discorde disso, muito interpretam o toque de um homem tido como santo como o próprio toque da divindade.

O episódio não deve comprometer o seu papado, que é recheado de boas ações e, principalmente, de uma postura vanguardista no combate a dogmas seculares, que já afastaram muitos fiéis da Igreja Católica.

Nunca a Igreja esteve tão exposta aos crimes históricos que pratica, há séculos, contra crianças pelo mundo afora. Nenhum papa abriu tanto para tratar dessa ferida infecciosa como o Papa Francisco.

Mas a cena é triste e difícil de se esquecer.

Quem quiser saber um pouco mais sobre a história do Papa Francisco, seria interessante assistir ao filme DOIS PAPAS, em cartaz na Netflix, que mostra muito esse “lado humano” do sumo pontífice, inclusive quando foi execrado pela opinião pública na Argentina, após a ditadura militar daquele país.

Excelente filme, que mostra, com rara felicidade, como alguém pode aprender com seus erros e tentar ser uma pessoa melhor. Tomara que Sua Santidade possa aprender, novamente, com seu lastimável erro, e entender que, mesmo não sendo perfeitos, não podemos agir contra o que pregamos, sob pena de, assim o fazendo, tornarmo-nos hipócritas.

André Mansur Brandão
Advogado e Escritor

As fases de luto aplicadas à solução de dívidas

Um texto simples, mas que pode ajudar vocês a se libertarem não somente de processos de endividamento, mas na solução de diversos outros problemas na vida. Vale muito a pena a ler. É curto, é rápido, mas pode mudar a sua vida.

1. Pior do que a morte.

Há mais de 30 anos, escutei de um cliente do banco onde eu trabalhava uma frase que muito me marcou:

“dinheiro pode até não trazer felicidade, mas a falta excessiva dele, que é a dívida, é pior que a morte!”

“Pior do que a morte”? O que poderia ser pior do que a morte?

Com os passar dos anos, e após atender milhares de cidadãos brasileiros endividados (inclusive alguns de minha própria família), cheguei à conclusão que pode, sim, existir algo que, se não for pior do que a morte, certamente se aproxima muito.

Advogar para endividados colocou-me em contato com a chamada “morte em vida”, uma condição humana muito semelhante à depressão, em suas mais severas formas.

Do ponto de vista biológico, a pessoa está viva, seu corpo respira, ainda que lentamente, mas sua alma está quebrada, catatônica, quase morta e sem sinais vitais. Vaga, errante, por uma sociedade que aprendeu a ignorar a dor de seus semelhantes, de tal forma que tais pessoas podem caminhar entre nós, sem que sequer imaginemos a sua dor.

Quase todos nós, que estamos vivos, sabemos a dor que a morte real provoca. Quem de nós nunca “perdeu” um ente querido? Mas o que fazer quando a pessoa falecida está dentro de nós mesmos, acompanhando-nos o tempo todo, seguindo-nos a todos os lugares?

Esta é a chamada “morte em vida”. Um dos mais tristes e dolorosos estados a que um ser humano pode chegar. Comparada à morte, em alguns casos, pode até mesmo ultrapassá-la em termos de dor, pois não deve ser nada fácil lidar com o funeral, em vida, de si mesmo.

2. As fases do luto convencional

Negação, raiva, barganha, depressão e aceitação. Salvo pequenas diferenças doutrinárias existentes entre os estudiosos no assunto, as cinco etapas acima resumem o processo de luto. A ordem varia e pode haver supressão de etapas ou acúmulo de mais de uma, durante determinado momento.

Seja como for, tudo começa pela negação e termina com a aceitação. Pelo menos deveria terminar.

Sim, infelizmente, muitas pessoas sucumbem, antes de chegarem à fase de aceitação. Mergulham em profundos estados depressivos, que podem culminar na própria loucura ou, o que ainda é pior, atentarem contra suas próprias vidas.

Não menosprezem a dor daqueles que se encontram mortos em vida, sufocados não somente pelas inúmeras dívidas que não conseguem pagar, mas, principalmente, pela crueldade de terem de passar por tal situação na mais completa solidão e abandono.

Todos se aproximam dos que têm dinheiro, mas são raros os que, de fato, auxiliam seus amigos e parentes na hora em que esse dinheiro se acaba e que as prestações começam a se amontoarem sobre os devedores, como uma verdadeira bola de neve.

Nessas décadas de contato com endividados, posso garantir que não se tratam de simples caloteiros, ou de pessoas que viveram além de suas possibilidades, visando ostentar uma vida superior à que podiam. A ponte que separa uma vida financeira organizada de um estado de endividamento doentio é muito mais curta do que imaginam.

Dívidas causam toda sorte de males à sociedade, ferindo, mortalmente, o seu principal alicerce, que é a família. Casais são desfeitos, amizades são perdidas, pessoas são estigmatizadas, enfim, o endividamento excessivo funciona como uma espécie de apocalipse na vida das pessoas e famílias.

Acontece que não precisa ser assim…

3. Apesar, de tudo, há esperanças!

Apesar do cenário gravíssimo e preocupante, duas excelentes notícias, contudo, surgem como alento aos quase 63 milhões de brasileiros endividados, de acordo com o SPC – Serviço de Proteção ao Crédito – e a CNDL – Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (dados analisados em agosto de 2018).

Não somente para eles, mas para suas famílias, que sofrem junto, seja pela privação de seus próprios bens e qualidade de vida material, seja por ter de presenciar alguém que se ama sucumbir diante dessa verdadeira chaga que é “estar endividado”.

A primeira grande notícia é que, entendendo esse complexo mecanismo, é possível não somente amenizar a dor, entender suas origens, mas, principalmente, superar a “morte”, voltando a viver novamente, em um mágico processo de renascimento espiritual, moral e social.

A segunda e mais inspiradora notícia, que reflete a essência de tudo que eu aprendi, lidando não somente com endividados, mas com pessoas em diversos estágios do luto, é que, apesar da “morte em vida” ser grave e poder conduzir à morte propriamente dita, o ruído de um coração batendo, ainda que fraca e lentamente, e o suspiro de um ser humano respirando, representam a certeza de que, aquela pessoa, apesar de toda dor e sofrimento, ainda está viva, logo, ainda pode voltar a viver.

Nenhum médico ou cientista irá discordar de mim, quando afirmo que é mais fácil reviver alguém que se encontra em coma moral, do que alguém cujo peito parou de bater, alguém que já soltou o seu último suspiro de vida, no mundo como o conhecemos.

Mesmo que pareçamos mortos, estar vivo faz toda a diferença. Pois, superadas as fases críticas do luto, o que vem, em seguida, é a vida, linda e resplendorosa como ela é.

Ultrapassada a depressão, surge a aceitação, que é o momento em que a pessoa, e aqueles que a amam, começam a ver a situação com mais realismo, com mais ponderação. Nesse momento, o monstro do impossível cede lugar à certeza de que tudo não passa de um obstáculo, poderoso, sim, mas que pode ser vencido, bastando, para isso, simplesmente … Estar vivo!

Mãos, mentes e corações a postos, é hora de iniciar o próximo passo dessa dura viagem. Encerrado o luto, é hora da AÇÃO!

4. Após a aceitação, hora de AÇÃO!

O processo de endividamento excessivo assemelha-se às mais dolorosas e cruéis doenças que podem acometer um ser humano ou uma família.

A exemplo do que ocorre na grande maioria das enfermidades, quanto mais cedo se chegar ao diagnóstico, melhor. Seja um câncer agressivo, seja uma doença auto-imune, seja uma grave infecção, descobrir a tempo é essencial ao processo de cura.

O oposto, contudo, pode tornar irreversível todo o processo, conduzindo as pessoas à morte, seja a “morte em vida”, seja a morte real.

Milhares de pessoas praticam atos de suicídio em todo o mundo. Nem todos eles são motivados por dívidas, mas por processos muito semelhantes, como por exemplo, o uso de drogas, que percorre um caminho muito semelhante ao das dívidas, sem contar que existem diversas outras dificuldades graves na vida.

Infelizmente, já conheci suicidas e “ex-suicidas”. Seja qual for o caso, que faz com que seres humanos pratiquem o mais grave e extremo ato contra si mesmo, sempre detectei a presença de um elemento comum a quase todos os casos: a solidão!

Pior do que passar pelo pior, é fazê-lo sozinho, sem apoio, no escuro de um quarto vazio, muitas vezes dentro de uma casa cheia de pessoas ruidosas, que, muitas vezes, sequer imaginam o tamanho da dor. E o tamanho de nossa solidão.

Atenção aos sinais. Se perceberem mudanças importantes no comportamento de seus familiares ou amigos, fiquem atentos. A depressão nem sempre é causa, sendo, na maioria dos casos, consequência, uma resposta do corpo aos transtornos da mente, que sofre e agoniza em silêncio.

Se acontecer com vocês, peçam ajuda. Não se afoguem em meio metro de água. Sabendo ou não nadar, basta ficarem de pé: verão que nada é tão grave quanto parece.

Igualmente, não permitam que outras pessoas apontem os dedos para vocês e os julguem. Boa parte dos “juízes da vida alheia”, ou não sabem o que assola uma mente mergulhada em dor, ou tentam julgar seus semelhantes para esconderem suas próprias tristezas e angústias.

Compartilhem suas dores com seus amigos. Um dos grandes ganhos colaterais desses momentos terríveis vida é podermos reconhecer quem são, de fato, nossos verdadeiros amigos.

Quando estamos bem, endinheirados, esbanjando alegria (ainda que falsa), é assustadora a quantidade de pessoas que se aproximam. Quando o inferno, todavia, aproxima-se, assistimos, perplexos, à debandada de grande parte daqueles que julgávamos nos quererem bem.

Não fiquem magoados, revoltados ou tristes com isso. Ao contrário, devemos agradecer a Deus por nos mostrar aqueles que, de fato, são nossos verdadeiros amigos. Trata-se do sagrado processo de seleção natural da vida.

Um aviso: muito cuidado! Amigos nem sempre são aqueles que se oferecem para emprestar dinheiro. Na verdade, muitos oportunistas surgem nesses momentos.

Amigos são seres abençoados, que não nos deixarão morrer na solidão. E, quando conhecemos essas pessoas, ou quando elas se mostram, é que podemos ver o quanto somos ricos e abençoados por Deus.

Quando superamos a “morte”, a vida recomeça, a alma renasce, e podemos voltar a respirar o doce ar puro dos que são agraciados pelas mãos de Deus, que tiveram a bênção de, depois de estarem quase mortos, voltarem a viver!

Espero ter podido ajudar. Assim como vocês, já passei por diversos momentos de “morte em vida”. E, toda vez que morri, encontrei forças e pessoas, principalmente de minha família, que me ajudaram a ficar de pé.

De tanto quase morrer, aprendi a renascer. E, se Deus me deu essa glória, de voltar à vida, tantas vezes, é porque devemos aproveitá-la, correto?

Fiquem com Deus.

Belo Horizonte (MG), 03 de junho de 2019.

André Mansur Brandão
Advogado, Especialista em Dívidas e Escritor.

NOTA DO AUTOR

Quando ultrapassamos a marca de 2 milhões e quatrocentas mil pessoas no Facebook, vivi um momento de incredulidade. Nunca imaginava que pudéssemos atingir tantas pessoas. Pessoas começaram a me reconhecer em lugares públicos, festas e em diversas situações até mesmo inusitadas.

Os poucos que me conhecem de perto sabem que isso nunca seria algo que eu buscaria, pois eu adoro ser invisível. Mas não consigo. De qualquer forma, ser lido por milhares de pessoas, e ter seu trabalho reconhecido é muito, muito bom.

Com a visibilidade, contudo, vem a responsabilidade. Tudo tem um preço. Eu bem que sei disso. Diariamente, centenas de pessoas, do Brasil inteiro e do mundo, enviam-me mensagens sobre os mais variados temas e assuntos. Contam suas histórias, seus medos e seus sonhos.

E isso me faz alternar momentos de alegria extrema à tristeza profunda, várias vezes, no mesmo dia. Da mensagem do leitor que me comunica, radiante, que vai ser pai, até a mensagem de outro, que acabou de perder um filho. Do céu ao purgatório, em segundos.

Isso sem contar a minha própria profissão, que é quase uma versão em menor escala desse mundo chamado redes sociais. Em ambos os casos, sinto que posso fazer algo. Mas, quando não é possível, “quase morro”, mas renasço, de novo, como na crônica acima.

Converso muito com uma amiga psicóloga, que me ajudou a lidar com essa montanha russa de emoções. Mas eu sou muito humano. Sendo assim, sou muito falho. Não sei se isso me faz bem ou mal, mas sei que, de uma forma ou de outra, eu posso ajudar alguém, ainda que seja uma pessoa, dentre milhões.

A crônica acima nasceu como resposta à três mensagens que recebi. Três pessoas endividadas com cartão de crédito, cheque especial e, a mais preocupante delas, com muitas dívidas de impostos, e ameaças de prisão (sim, dever impostos é crime).

Escrevi a cada uma delas sobre os pontos específicos de seus casos. Mas pensei: “por que não escrever algo, que alcance milhares de pessoas, que possa ajudar não somente com seus casos pessoais, mas na forma de lidar com eles?”

E assim nasceu a presente crônica.

Se puder ajudar apenas uma pessoa, a missão já estará cumprida, mas sinto que seu conteúdo tocará muitos corações. Se acharem que pode ajudar alguém, compartilhem, mas, em hipótese alguma, julguem aqueles que, por uma infelicidade mergulharam no pântano escuro das dívidas.

Após quase 30 anos de experiência, posso afirmar: o mau caráter é a exceção!

André Mansur Brandão
Diretor-Presidente

ANDRÉ MANSUR ADVOGADOS ASSOCIADOS

O Vento Contra o Suor!

A história que vou contar-lhes agora aconteceu em minha cidade-natal, Belo Horizonte.
Eu tinha por volta de quatorze anos de idade. Pouco mais, pouco menos.

Não sei se andar de bicicleta era um esporte ou um vício. Eu e um colega adorávamos rodar pela cidade, de um lado para o outro, em nossas bicicletas de 10 marchas. Era uma época onde o trânsito era muito menos agressivo do que é hoje.

Um de nossos passeios favoritos era ir subir a Avenida Barão Homem de Melo, até chegar no alto, próximo ao BH Shopping. De lá, fazíamos uma descida alucinante pela Av. Nossa Senhora do Carmo até a Savassi.

Quem conhece a cidade, sabe que o trajeto é bem difícil. Na época, nem a Barão, nem a N. Sra. do Carmo tinham quebra-molas ou qualquer obstáculo no asfalto. Eram poucos sinais de trânsito, o que tornava as vias extremamente rápidas, exceto na forte subida, que somente era vencida após muito esforço e muito cansaço.

Após a subida, a grande “onda” era descer a Av.  N. Sra. do Carmo. Usávamos os freios somente quando nos aproximávamos  da Av. Do Contorno, na Savassi. Chegávamos a velocidades incríveis, o que nos proporcionava uma louca sensação de pura adrenalina.

Se meu filho por acaso ler esta minha crônica, peço, por favor, que nem tente repetir isso. Nos dias de hoje, a quantidade de quebra-molas e sinais de trânsito torna a aventura impossível e sem-graça. Ou provavelmente fatal!

De qualquer forma, nunca vou esquecer o quanto era gostosa aquela louca descida. Fomos os pioneiros, mas em pouco mais de dois meses outros adolescentes começaram a imitar o trajeto. Dentro de muito pouco tempo eram vários ciclistas mergulhando na Savassi, com seus pedais quase tocando o asfalto, a milímetros do limite máximo.

Como todos podem perceber, a parte mais emocionante da “viagem” era descer a avenida. Mas devido ao grande esforço da subida e, principalmente, devido à distância do bairro da Savassi até o início da subida, conseguíamos fazer este trajeto apenas uma vez por dia, nos fins de semana.

Pena que, como sempre, alguns gostam de usar atalhos. Ao invés de subirem pela Barão para chegarem no alto e descer, diversos meninos ricos levavam suas bikes direto para o topo da Av. N. Sra. do Carmo, na traseira de suas pick ups de luxo. Assim, podiam descer várias vezes no mesmo dia.

Um dia, meu colega, visivelmente desanimado, disse que seu sonho seria comprar um carro daqueles, para poder descer várias vezes. Fiquei pensando, pensando, até que respondi:
– Eles podem descer quantas vezes quiserem. Mas nunca sentirão em seus rostos o contraste do suor da subida com o vento da descida!

Fato é que a prática acima gerou grande congestionamento de bicicletas descendo a avenida, o que começou a causar acidentes. Isso, associado à alta velocidade dos próprios veículos que por lá trafegavam, já que se trata de uma das principais vias de acesso a Belo Horizonte, fez com que a prefeitura enchesse a avenida Nossa Sra. do Carmo de quebra-molas e sinais de trânsito. E a aventura acabou…

As pessoas passam a vida toda tentando atingir o sucesso, a qualquer custo. Tomam atalhos, trapaceiam, enfim, quanto mais curto for o trajeto, melhor. Mas, o que a grande maioria delas se esquece é que, tão ou mais importante do que chegar lá, é ter na lembrança as marcas de sua história. Os obstáculos vencidos, a superação de limites, as lágrimas derramadas… Tudo isso é que faz chegar lá ser tão especial.

Principalmente, porque a grande maioria de nós, nunca irá chegar.

Na medida em que nos aproximamos de nossos sonhos, o topo, ironicamente, muda de lugar. Quando estamos perto de conseguir, passamos a querer mais, e mais e mais. Somente chegarão ao cume do sucesso aqueles que aceitarem os limites que vida impuser. O que torna a subida muito mais importante do que o “estar lá”.

Desfrutar do que se conquista é muito gostoso. Muito mesmo. A sensação de ver o esforço reconhecido pelas vitórias é única. Vim de uma família pobre, o que me faz valorizar cada degrauzinho que subo.

Todavia, sei que tudo acontece na exata medida do merecimento. No momento em que estivermos prontos, nosso esforço será recompensado.

Eu nunca apreciaria um bom vinho se não tivesse tomados os ruins. Nunca saberia reconhecer a mulher perfeita, se não tivesse me arriscado e acreditado no amor. Nunca teria sentido a maravilhosa sensação de ser pai, se não tivesse aberto mão de meu ego. E nunca sentiria o prazer de advogar, se não tivesse acreditado na justiça.

Sigo minha vida, acreditando e tentando. Pedalando e suando. Mas não vou mentir. Ninguém, nunca, irá retirar de mim o prazer de, aos meus 14 anos de idade, sentir o suor da subida contrastar com o vento da descida em meu rosto.

Apreciem suas vidas… Como aprecio a minha!

Fiquem com Deus!

André Mansur Brandão
Diretor-Presidente

ANDRÉ MANSUR ADVOGADOS ASSOCIADOS

Cartão de Crédito: comodidade ou pesadelo?

Comodidade para uns, inferno para outros… Criado para facilitar a vida das pessoas, o CARTÃO DE CRÉDITO acabou por se tornar uma das mais perigosas armadilhas para milhões de consumidores desavisados.

Isso porque, ao invés de ser usado simplesmente para agilizar o processo de compra e venda de bens e serviços em estabelecimentos comerciais, o desvio das funções desse importante instrumento criou uma forma simples, porém descontrolada, de endividamento das famílias.

Além da possibilidade de parcelamento das compras a juros – digamos, extorsivos – o chamado “dinheiro de plástico” possibilita a retirada de dinheiro em espécie, exatamente como se fosse uma modalidade normal de empréstimo. E tudo isso a juros e encargos que podem chegar até a 30 POR CENTO AO MÊS!

Existem duas formas de uso sadio do cartão de crédito. A primeira, através do chamado cartão pré-pago, é a modalidade em que o consumidor repassa para as administradoras de cartões um valor prévio, para depois ir gastando na medida de suas necessidades.

Infelizmente, existe pouco interesse por parte dos gestores na comercialização desse tipo de produto, sujeitado-os a inúmeros limites e regras.

A outra forma de uso seria a convencional, como todos conhecem. Compra-se a crédito, mas o pagamento é feito à vista, do total do desembolso. Seria perfeito, caso os consumidores tivessem disciplina para comprar somente o que conseguiriam pagar. E à vista!

Os grandes vilões da história são os mesmos de sempre: os chamados JUROS ABUSIVOS. No caso dos cartões de crédito, entretanto, quando o assunto é crédito rotativo ou parcelado, poucas coisas conseguem ser mais cruéis do que as taxas aplicadas a essas modalidades, que podem criar para os devedores dívidas em valores astronômicos, já que atingem os absurdos percentuais de até 30%.

O problema não é de fácil solução. Em um mundo capitalista, as pessoas são avaliadas pelo que têm e não pelo que são. Os estímulos ao consumo desenfreado é ostensivo e constante. Ofertas excessivas violentam o consumidor dia e noite, dentro e fora de suas residências.

Além de uma educação financeira eficiente, iniciada até mesmo na fase de alfabetização de nossas crianças, é fundamental incentivar o uso consciente do crédito. Mas, de quem seria o interesse de curar uma doença grave chamada ENDIVIDAMENTO, se quem cuida do hospital são exatamente os mesmos que vendem os “remédios”?

O consumidor deve ficar muito atento para não perder o controle sobre os seus gastos com o cartão de crédito. Uma vez no rotativo, dificilmente conseguirá sair sem ajuda de um profissional – seja de um psicólogo, seja de um advogado.

É muito importante saber que existem opções para quem perder o controle de seus gastos e dívidas com cartões de crédito. Existem muitas (várias) ilegalidades cobradas por bancos e administradoras. Uma dívida elevada pode sofrer descontos consideráveis.

O mais importante é não perder a calma, para que não se afogue em águas rasas. Sempre há uma solução. Sempre!!!!

Conhecer seus direitos é a melhor forma de defendê-los!

André Mansur Brandão
Diretor-Presidente

ANDRÉ MANSUR ADVOGADOS ASSOCIADOS

Os Vingadores, o Filme

Alerta: contém spoilers, mas ninguém liga, pois já contaram o filme todo, mesmo. Que prazer sádico é esse do ser humano, que corre para assistir a um filme, somente para contar para os outros depois? Se você for um desses seres monstruosos, procure ajuda profissional, pois eu já procurei.

O filme é um sucesso total. Mais de duas horas de pura diversão e entretenimento. Mesmo as estatísticas divergindo, dizem que “Os Vingadores” superaram, e muito, a bilheteria de Titanic.

Eu assisti e posso garantir: vale muito a pena, mesmo com Tony Stark, o Homem de Ferro, morrendo no final.

Pronto, falei!

Essa triste informação, na verdade, pouco importa, em função da trapaça que fizeram no enredo do filme. No último episódio, como todos se lembram, o Bem tinha perdido feio para o Mal, representado pelo vilão Thanos, que conseguiu exterminar metade do universo.

Apesar dessa vitória triste e inesperada do Mal sobre o Bem, que contraria a essência de tudo em que acreditamos, o jogo tinha sido limpo.

Venceu o melhor, digo, o pior, digo, o Mal. Deu para entender?

Na verdade, a vitória veio para quem explorou melhor as suas possibilidades e não mediu esforços para vencer. O Bem até que tinha jogado bem, mas o Mal entrou mais focado, mais determinado.

Era tão grande a vontade do Mal em vencer, que Thanos chegou ao extremo de assassinar uma de suas filhas, para conseguir a pedra que faltava para lhe dar o poder supremo para acabar com o mundo.

Logo, tecnicamente, ele mereceu a vitória. No filme anterior, como todos devem se lembrar, “Os Vingadores” perderam feio.

Mas o VAR, da Marvel, anulou não somente os lances finais, mas o próprio jogo. Tony Stark inventou uma máquina do tempo e o jogo foi reiniciado. Para quem não sabe, VAR são recursos eletrônicos usados em alguns esportes coletivos para tentar reduzir o erro dos árbitros, principalmente em partidas de vôlei, basquete e, agora, no futebol.

No caso de “Os Vingadores”, esse lance de “máquina do tempo” foi uma grande trapaça, em minha humilde opinião. E, por conta dessa maracutaia, todos os que tinham morrido no episódio passado, voltaram a viver.

Peço licença na narrativa para contar para vocês um acontecimento que me marcou muito, durante a sessão do filme.

Apesar de quase não conseguir retirar meus olhos da tela 3D, uma situação de real emergência chamou-me ao banheiro. Eu tinha de eliminar uma parte dos vários litros de refrigerantes que havia tomado, desde o início dos trailers do filme.

Sei que refrigerante faz mal para a saúde, mas …

Graças ao fenômeno ilegal da venda casada, que ocorre dentro de quase todos os cinemas espalhados pelo Brasil, eu fui obrigado a comprar um enorme balde de desentupidor de pias (eufemismo para refrigerante), junto com a pipoca, que vinha em um recipiente feito na forma da poderosa manopla, que concede poderes supremos sobre a humanidade.

Fui obrigado a comprar, pois era a noite de lançamento do filme, e eu não acharia nenhum juiz disposto a conceder uma liminar, obrigando a empresa que administra as salas de cinema a me vender a pipoqueira-manopla, sem ter de comprar a porcaria do refrigerante.

Até porque certamente a grande maioria dos juízes deveria estar assistindo ao filme, também. E eu tinha de ter aquela manopla. Vai que ela funciona, mesmo?

Fato é que, como o trem (refrigerante) tava lá, com canudinho, geladinho e borbulhante, eu acabei tomando. E muito. O que me levou ao banheiro.

Minha falta de força de vontade e minha fraqueza em resistir àquele líquido geladinho, todavia, fez-me assistir a uma cena inusitada.

Quando eu estava quase chegando à porta do mictório (banheiro), o pessoal da sessão que tinha acabado exatamente naquele momento saiu, comentando o filme.

Um pós-adolescente temporão, com os olhos rasos de lágrimas, disse para seu namorado: – “Nossa, amor, eu não aguentei quando o Homem-Aranha apareceu, vivinho. Estou chorando até agora.”

Abraçaram-se, ambos emocionados, e se beijaram, seguindo em direção à saída das salas de cinema.

Essa cena, contudo, encheu-me de raiva e de repulsa. Que direito eles tinham de dar um spoiler daqueles, sabendo que, quem saía da outra sala de cinema, ainda não tinha chegado nessa parte? Achei uma imoralidade.

Aquela revelação, inoportuna e inconveniente, todavia, produziu em mim uma verdadeira epifania. Meu cérebro expandiu-se em níveis absurdos e comecei a sentir tremores e calafrios.

Meu coração batia forte, meu corpo suava e senti minhas pernas levemente molhadas e trêmulas.

Corri para o banheiro, rapidamente, e fiz o que deveria ter feito antes, o que me fez melhorar grande parte dos sintomas.

Ao sair, contudo, minha mente não parava de pensar. Se o Homem de Ferro, com sua inteligência e grana, conseguiu fazer o tempo voltar, com sua engenhosa máquina do tempo, a Marvel tinha inventado o conceito de franquia eterna.

Nenhum personagem mais seria mortal. Todos poderiam ser ressuscitados, ainda que mortos em batalhas. Assim, o Bem poderia até perder para o Mal, mas no próximo filme, os derrotados mortos poderiam estar lá, mais vivos do que nunca, e ter uma segunda chance.

Sim, o Homem-Aranha aparece vivinho. Podem comemorar. Eu também o acho muito carismático.

Thor, que no início do filme aparece como depressivo e alcoólatra, encontra com a sua mãe no passado, e conversa com ela, antes que ela morresse.

Foi nesse momento do filme que eu realmente chorei.

Chorei calado, em silêncio, até que meu filho e minha esposa perceberam, e, mesmo sem que eu explicasse nada, abraçaram-me carinhosamente, aquecendo meu corpo com o calor que somente quem tem uma família deliciosa pode receber.

Minha mulher e meu filho sabiam no que eu estava pensando. E se pudéssemos, realmente, voltar no tempo?

Eu regressaria quase cinco décadas e, mesmo sendo um bebê de pouco mais de um ano, diria ao meu pai o quanto o amo e o quanto ele ainda iria se sentir orgulhoso de mim.

Pediria que ele não ficasse com raiva de Deus, por ser chamado de forma tão precoce, e de ser privado do convívio de sua família, a quem sempre se dedicou e amou.

Diria que, mesmo saindo tão cedo de nossas vidas, deixou um legado de decência e honestidade, que não somente nos honrou, como nos referenciou em nossas vidas.

MINHA MÃE?

Ah, mãe, se eu pudesse voltar no tempo e ter mais alguns instantes para conversar com a senhora, como Thor teve no filme… Eu lhe diria que, com a sua passagem, todos nós perdemos nosso chão, devido à forma tão brusca e cruel como tudo aconteceu.

Eu lhe diria, entretanto, mamãe, que não se preocupe. Para nós, o chão pouco importa, pois durante toda a sua vida, e antes de partir, a senhora nos ensinou a voar.

E estamos voando até hoje, mãe!

Seu neto está lindo, um pequeno homem de 1,95 metros de altura e um caráter que nos enche de orgulho. Sem contar que cuida dos cabelos dele, exatamente como a senhora sempre ensinou. E se transformou em uma pessoa muito melhor do que eu jamais serei.

Sua irmã de coração, Denilde, minha madrinha e mãe-preta, tem cuidado muito de nós, já que seremos sempre crianças-adultas, vivendo e sobrevivendo nesse mundo de Deus.

Ah, eu voltaria no tempo e conversaria muito com ela. Contaria todas as novidades e, principalmente, que tudo vai indo muito bem, no melhor dos mundos.

Com um beijo, ela se despediria de mim e diria:

– Eu sei, filho, eu sei! Mamãe ama vocês todos demais. Agora, tenho de ir. Mas estarei sempre com vocês.

– Mãe, quando chegar a hora, se eu merecer, irei para perto da senhora. Mas pretendo demorar. Ainda tenho muito o que fazer por aqui!

CENAS PÓS-CRÉDITOS

Quem assistir ao filme, já vou avisar: não há cenas pós-créditos.

Assim que começar a aparecer aquele monte de informações na tela, e a tocar aquelas músicas de “fim de filme”, podem se levantar e irem cuidar de suas vidas.

No penúltimo filme, eu tentei sair durante os créditos, mas a funcionária do cinema, de uma forma quase policialesca, impediu-me. Quando mostrei para ela um habeas corpus preventivo, que me garante o direito de ir, vir, permanecer e de sair antes e depois dos créditos, ela me cochichou no ouvido:

– Ainda tem filme!

Aí, claro, eu esperei. Sem contar que ela era bem grande e musculosa. E não me parecia nada amistosa. Era melhor ficar.

Dessa vez, nada disso. Terminou, terminou. É como se a Marvel nos dissesse:

Vão embora, pensem nas mensagens do filme. Pensem nas possibilidades. Não vamos fazer isso por vocês. Obrigado por encherem nossas contas bancárias em bilhões de dólares. Voltem em breve!

SPOILERS FINAIS

Como eu já disse, o mais interessante personagem da saga, em minha opinião, morre. O homem-de-Ferro, Tony Stark, bilionário, playboy e filantropo, como ele mesmo se definiu, entrega sua vida para o bem da humanidade, mas não resiste e faz a sua passagem, deixando esposa e uma linda filha.

Sim, ele tem esposa e uma linda filha nesse episódio. Mas nem fiquem tristes. No próximo, a máquina do tempo, que ele mesmo inventou, pode fazê-lo renascer. Voltar no tempo traz muitas possibilidades.

Outro personagem muito legal da série, Capitão América, tem um final bastante inusitado.

Como “Os Vingadores” conseguem reverter o genocídio de Thanos, o herói-galã ficou responsável por devolver as Joias do Infinito ao local e momento de onde foram retiradas, usando a máquina do tempo.

Ocorre que ele decide ficar na década de 1940, para viver ao lado de Peggy, a mulher que sempre amou. E ser, com ela, feliz para sempre.

Ou não!

Uma cena muito interessante, quase no final do filme, é que, enquanto “Os Vingadores” aguardavam seu retorno do passado, mas antes de saberem de sua decisão de se unir à Peggy, Capitão América ressurge, confortavelmente sentado em banquinho, próximo à máquina do tempo, bem idoso.

Idoso, mas ainda em ótimo estado, o que pode ser um indicativo de que a reforma da Previdência do Bolsonaro pode dar certo. Desde que compremos dos russos uma máquina do tempo. Dizem que já inventaram, mas tem sido usada para envelhecer vodka.

De qualquer forma, antes de voltar ao passado, para viver uma vida simples e apaixonada com sua amada, Peggy, Capitão América entrega seu escudo para outro super-herói, o Falcão, que aceita o encargo.

Parece que será o primeiro Capitão América negro da história. Na verdade, o segundo, já que o primeiro sempre será Barack Obama.

THANOS, O VILÃO!

Thanos é um personagem inspirado em Thanatos, outro vilão da Marvel. A semelhança de som do seu nome com a palavra “ânus” pode insinuar, de forma subliminar, que se trata de um “cuzão”. Nada disso.

Não se trata de um vilão comum. Thanos é um filósofo do mal. Nem sei se seu plano para destruir o mundo era tão cruel ou ilógico, tirando essa ideia meio clichê de dizimar toda a população da Terra, para começar do zero.

Olhemos em volta. O que temos no mundo, hoje?

Miséria extrema, fome, corrupção, ganância, países ricos destruindo o mundo, com poluentes e gases cada vez mais tóxicos e uma falta de moral generalizada.

O que ele propõe, afinal, nada mais é do que um apocalipse, para higienizar a face da Terra.

Suas intenções, todavia, nada possuem de nobres. Seu pragmatismo cruel e sua falsa noção de racionalidade escondem o fato de que Thanos deseja limpar o mundo para impor o seu próprio conceito do que é certo e errado.

Não se mata uma pessoa para combater sua infecção.

O ser humano, em sua essência, é bom. Pelo menos, esta é a crença que me mantém vivo e esperançoso com relação ao futuro.

A grande maioria das pessoas possui lados bons e ruins. Trabalhando a ética, a moral, e a consciência divina das pessoas, podemos ter um mundo muito melhor.

E é nesse mundo que eu desejo viver.

O mais grave pecado de Thanos, todavia, é que ele não deseja criar um novo mundo somente para dar uma nova chance à humanidade. Ele deseja controlar e dominar esse “novo mundo”, ditando o seu peculiar conceito do que seja certo e errado.

E, querer isso, torna-o não somente um vilão, mas um ser digno de repulsa, pois quer retirar do ser humano um de seus maiores direitos: o livre-arbítrio!

Mas, afinal, não é exatamente isso que todos os ditadores fazem?

EMPODERADAS

Uma cena muito legal no filme mostra a influência que o movimento feminista mundial tem sobre as produções cinematográficas. Em uma cena, todas as heroínas da Marvel, unem-se contra Thanos e o atacam.

Infelizmente, não conseguem vencê-lo, missão que ficou a cargo do Incrível Hulk, personagem masculino, o que pode ser um indicativo de que o cérebro de Hollywood ainda pode ser machista.

Ou não. Na verdade, quem se importa com isso? É apenas um filme, correto?

SPOILERS FUTUROS DA VIDA REAL

Se uma mente politicamente incorreta fosse escrever o próximo episódio da saga, e quisesse mexer com todos os mimimis da sociedade, não seria nada difícil.

Imaginem só.

Capitão América, após um divórcio altamente litigioso, separa-se de sua mulher, que leva metade de sua fortuna avaliada em mais de seis bilhões de dólares. Entra na Justiça, requerendo de Falcão o seu escudo de volta, o que provoca grandes transtornos sociais e uma verdadeira guerra entre brancos e defensores dos movimentos negros.

Em sua defesa, Falcão limita-se a dizer que, ao receber o escudo, e seguir a tradição do Capitão América, “ele tinha um sonho!”

Homem Aranha assume sua homossexualidade, muda-se para o Rio de Janeiro. Começa a praticar ginástica olímpica, mas desiste de fazer filosofia, devido ao corte de verbas federais nas universidades.

O Incrível Hulk assume seu lado besta, desiste de ficar indo e vindo entre duas personalidades e monta um grife de roupas plus size, que se torna uma das 100 empresas mais lucrativas, de acordo com a Revista Forbes.

Lanterna Verde, herói da DC Comics, concorrente da Marvel, surge, imponente, com uma missão para lá de polêmica: tentar proteger o mundo contra a Ameaça Vegana, que destrói vorazmente toda a vegetação do planeta Terra. Além disso, Lanterna tenta desmontar todas as barragens da Vale, antes que mais pessoas morram soterradas pela ganância daqueles para quem a vida humana nada Vale.

Será imperdível!

MORAL DA HISTÓRIA?

Aproveitem a vida!

Ao contrário do filme, o tempo não volta. O tempo caminha, lenta ou velozmente, mas sempre para a frente.

Amem mais, perdoem rapidamente, vivam de uma forma mais intensa, sem se esquecer de que pode vir um amanhã. Se vier, se Deus nos premiar com mais dias, mais anos, aproveitem.

Apreciem de forma prazerosa cada segundo que a vida lhes proporcionar de forma harmônica, equilibrada, porém apaixonada.

Um dia, vamos morrer. Mas, todos os demais dias de nossas vidas, vamos viver.

A vida nos dá uma quantidade limitada de tempo para usufruirmos, para fazermos algo que sobreviva a nossa passagem. Deus não permite que o tempo volte. Mas nos deu uma coisa muito mais valiosa: começar cada dia como se fosse uma nova vida.

E a certeza de que, melhor do que fazer o tempo voltar, é aproveitar o tempo, enquanto estamos por aqui.

Para que, no dia em nos formos, deixemos mais do que tristeza e dor: deixemos saudades, memórias e, principalmente, exemplos que poderão ser seguidos pelas gerações futuras.

Esse, sim, é o conceito de vida eterna.

Sendo assim, vamos viver?

Saúde e paz para todos.

Que Deus encha nossas vidas de tudo do bom e do melhor.

André Mansur Brandão
Diretor-Presidente

ANDRÉ MANSUR ADVOGADOS ASSOCIADOS

A jabuticabeira e as orquídeas

Qual, dentre todas as flores, seria a mais bela? As rosas, tão perfumadas, tão lindas, tão simbólicas … Com seus labirintos enigmáticos, seriam as rosas as mais lindas dentre todas as flores?

Ou seriam as tulipas, com sua variedade de cores, que mais se assemelham a perfeitos cálices do mais delicioso néctar?

E os girassóis, que iluminam qualquer paisagem, como o próprio sol o faz?

Difícil saber … Talvez todas sejam perfeitas, seja pelos olhos de quem as vê, pelo olfato de quem as sorve ou, simplesmente, pelo tato de quem as toca. Ah, as flores …

Como tenho sido constantemente acusado de somente abordar temas polêmicos, hoje vou contar para vocês uma linda história sobre flores. Acho que não tem como gerar confusão, já que flores são flores. Então, nada pode dar errado, correto?

Na casa onde minha mãe mora há uma linda jabuticabeira. O que a faz ser mais bonita do que as outras é o contraste de suas cores naturais com a paisagem bucólica de uma metrópole. É como se, no meio de tantos prédios, uma ilha verde se erguesse, imponente, intocável. Uma verdadeira sobrevivente!

Um de meus lugares favoritos é uma mesinha simples, de metal, colocada próxima à sombra da jabuticabeira. Sento-me lá quase todos os dias. Principalmente nos últimos dias.

Eu, minha mãe, minha madrinha e minhas irmãs adoramos simplesmente ficar ali, olhando aquele simples – porém lindo – espetáculo da natureza que, apesar dos ataques da modernidade, sobrevive de forma valente.

Às vezes, nem conversar conversamos. Estar ali, em silêncio, já nos basta. Nem percebemos o tempo passar. Apenas respiramos aquele ar puro, lentamente, sem pressa. E observamos as nuvens mudarem seus desenhos no céu. Já pensaram como as nuvens parecem ser impressões digitais de Deus?

Nos dias de chuva, observamos a jabuticabeira pela janela. Fica ainda mais linda! Pingentes de água proporcionam um verdadeiro show de pureza e simplicidade. Como eu adoro aquele lugar …

Há alguns meses, todavia, “alguém” teve uma ideia aparentemente maravilhosa. Colocar duas orquídeas no tronco da jabuticabeira, para torná-la ainda mais linda. E lá elas foram afixadas, conferindo cores vivas à paisagem já tão perfeita.

Algo estranho, no entanto, aconteceu. Inexplicavelmente, a frondosa árvore parou de dar flores. Ela continuava ali: linda, verde, encantadora. Porém, parecia estéril. Sua viva cor verde perdeu intensidade. Nenhuma florzinha surgiu. Nada indicava que teríamos frutos neste ano. O que poderia ter acontecido?

Adivinhem o que fez com que aquela linda árvore, que há tantos anos resistiu a toda sorte de agressões da cidade grande – como poluição e calor – parasse de dar frutos? Exatamente o que vocês estão pensando: as lindas orquídeas!

Instaladas bem no baixo tronco da jabuticabeira, elas estavam sugando boa parte da água e da energia vital da árvore, impedindo que ela florescesse e pudesse dar seus frutos.

As lindas e delicadas orquídeas estavam, de uma forma lenta (porém cruel!), matando nossa árvore, impedindo-a de prosseguir com o mais lindo espetáculo da natureza, que é a continuidade da vida.

Há um provérbio popular que diz:

“Até as flores medem a sorte. Enquanto umas anunciam a vida, outras consolam na morte!”

Quase que instantaneamente, retiradas as orquídeas, as flores retornaram, brancas e vigorosas. Das flores, frutos ainda pequenos já despontam. Eles se transformarão, no devido tempo da natureza, nas deliciosas e perfumadas jabuticabas.

Muitas delas terão o rumo certo de nosso paladar. Mas, o mais importante é que a vida seguirá seu curso.

E eu vos pergunto: quantas pessoas agem em nossas vidas exatamente como as lindas orquídeas que minavam a energia de uma árvore tão grande, tão forte?

Quantas pessoas aproximam-se de nós, apenas para sugar nossa força vital, ainda que disfarçadas de amigas? Ainda que para dar uma falsa sensação de cor à nossa existência? Quantas pessoas tentam, de uma forma dissimulada, retirar nossa alegria de viver?

Existem diversas pessoas tóxicas espalhadas por aí. Muitas, estão disfarçadas de lindas orquídeas ou de outras formas ainda mais sedutoras, que agem em nossas vidas como verdadeirosvampiros emocionais.

O irônico é que não é nem um pouco difícil reconhecer tais pessoas nocivas. Mesmo que se escondam por detrás de belas formas ou embalagens encantadoras, a energia que emitem torna sua identificação fácil.

Não se iludam, todavia. Apesar de ser fácil descobrir quem são nossos parasitas, é muito difícil nos afastarmos deles. Em nossa história real, duas lindas orquídeas, duas das mais lindas criações de Deus, acabaram por se transformar, involuntariamente, em abjetas vampiras.

O que dizer, então, das pessoas que de nós se aproximam, travestidos de amigos, com o único objetivo de viver às custas de nossa energia?

Retiro, para mim, duas grandes lições. A primeira é que não precisamos nem podemos odiar as orquídeas. Em seu ambiente próprio, elas deixam de ser parasitas e passam a ser o que, de fato são: lindas criações de Deus! Criações que, ao invés de minar as energias de outros seres, entregam sua beleza para transformar a vida em um paraíso de cores.

A segunda lição, e talvez a mais importante, é que precisamos redobrar nossa atenção para podermos identificar as pessoas que tentam viver às custas de nossa fonte vital, de nossos sonhos. Como eu disse, é fácil identificar, pois ao contrário das orquídeas que exalam um delicioso aroma, os parasitas fedem!

Fiquem com Deus!

André Mansur Brandão
Diretor-Presidente

ANDRÉ MANSUR ADVOGADOS ASSOCIADOS

 

Vale Oferece R$ 100.000,00 por Vítima

UTILIDADE PÚBLICA! MUITO IMPORTANTE!

VALE OFERECE R$ 100.000,00 (CEM MIL REAIS) POR VÍTIMA

Diversas pessoas estão me consultando pelas nossas redes sociais sobre essa notícia que saiu nos jornais de hoje, querendo saber minha opinião, se devem ou não aceitar o dinheiro e, se aceitarem, se abrirão mão dos demais direitos que tiverem.

Claro que não vou deixar de ajudar, ainda mais nesse momento de tamanha dor e da imensa necessidade das famílias que perderam seus entes queridos.

Vamos pular a parte emocional dessa questão tão dolorosa e tentar ser mais práticos. Nada vai trazer os entes queridos que partiram de forma tão trágica de volta.

Nada!

Muitos dos que faleceram, contudo, eram arrimos de família.

Mantinham suas casas ou ajudavam muito no orçamento familiar. Suas ausências, além da dor insuportável que já provou, ainda vai causar muitas privações financeiras aos seus entes queridos, que ficaram.

Meu aconselhamento, nesse sentido, é que recebam, sim, o valor ofertado pela empresa, o mais rapidamente possível.

É bem provável que a Vale, através de seus advogados, obriguem os beneficiários a assinarem documentos que dêem quitação desses valores, e que colham declarações dos familiares, no sentido de que não procurarão a Justiça para receber seus direitos complementares.

Em meu humilde parecer, como Advogado, não acredito que nenhum juiz vai entender e aceitar que, assinar esses documentos, retira dos beneficiários das vítimas a possibilidade de, em um futuro próximo, revindicarem seus demais legítimos direitos, que certamente existem, e que certamente ultrapassam o valor de R$ 100.000,00 (cem mil reais) oferecido pela Vale.

Qualquer declaração ou termo de recebimento e quitação, que tenha a pretensão de retirar da Vale a sua responsabilidade plena, cível e criminal, a meu ver, será completamente anulável em juízo.

Não somente pela gravidade da situação, mas, principalmente, pelo precário estado psicológico dos familiares nesse momento, além de suas necessidades imediatas, fatos que, associados, caracterizam o chamado vício de consentimento.

Assim, recebam o valor e amenizem suas dificuldades momentâneas. Leiam os documentos que lhes derem para assinar e, se houver qualquer declaração de quitação ou isenção de responsabilidade futura, escrevam uma ressalva no documento, dizendo que não aceitam os termos.

Se se recusarem a pagar, devido à ressalva, assinem e recebam. Não tenho dúvidas de que os juízes serão não somente favoráveis a vocês, mas como punirão a Empresa, ainda mais severamente, no caso de ocorrer essa lamentável tentativa de coação.

Dentro do possível, responderemos as perguntas de todos, sempre de forma privada, e sempre garantindo o sigilo e a privacidade de todos vocês, que passam por uma dor inimaginável, em que a perda dos entes queridos se mistura à sensação de revolta pelo descaso com as vidas que se perderam.

Com o tempo, posso lhes garantir, a dor dá lugar à saudade que, ainda assim, continuará a doer, mas de uma forma cada vez mais amena, menos angustiante.

E a vida seguirá o seu curso natural para os que ficaram, que ainda têm muito o que fazer por aqui.

Deus nos abençoe a todos.

E que Ele tenha recebido em seu colo todos os que se partiram de forma tão trágica e repentina, deixando um oceano de saudade, nunca de lama, nos corações de todos que os amaram e sempre amarão.

Por toda a eternidade!

Belo Horizonte (MG), 30 de janeiro de 2019.

 

André Mansur Brandão
Diretor-Presidente, Advogado

ANDRÉ MANSUR ADVOGADOS ASSOCIADOS