KALIL DIZ QUE QUEM NAO TOMAR VACINA É NEGACIONISTA,
IDIOTA E BURRO.

Muitas pessoas poderiam pensar que essas palavras definiriam muito bem o próprio protagonista que as proferiu.

Sou obrigado a discordar: não acho Kalil negacionista. Ele não poderia ser acusado de ser algo de que sequer sabe o significado.

encheu o saco esse tipo de grosseria teatral do prefeito de BH, uma das mais importantes cidades do Brasil. Mas não vamos perder tempo com Kalil.

Vamos aproveitar esse tema tão sério e importante – VACINA – para esclarecermos alguns pontos, visto que nem todos que deixarão de se vacinar enquadram-se no que Kalil afirmou.

Eu, pessoalmente, sou totalmente a favor das vacinas. Vou repetir para ficar bem claro:

SOU TOTALMENTE A FAVOR DAS VACINAS!

Minha mãe sempre nos vacinou, a mim e as minhas duas irmãs.
Tomamos todas as vacinas disponíveis na época, muitas vezes submetendo-nos a filas gigantescas em postos de saúde, que começavam a ser formadas antes do dia amanhecer.

Eu e minha esposa vacinamos nosso filho da mesma forma, agregando até mesmo vacinas que sequer existiam quando éramos pequenos.

As vacinas contra a Covid, todavia, trazem alguns dilemas que ninguém pode negar.

O primeiro deles é quanto ao tempo de produção, que foi de menos de um ano. Nenhum cientista sério pode dizer que esse tempo é suficiente para a aprovação de medicamento tão importante quanto a vacina, ainda mais por se tratar de uma profilaxia que visa atuar de forma preventiva à doença.

O segundo e mais importante ponto, a meu humilde ver, está ligado a possíveis efeitos colaterais graves.

Poucos sabem mas, antes de um medicamento ser aprovado por fazer bem, é indispensável que ele não cause males graves à saúde das pessoas.

Por isso, são necessários tantos anos de estudos e testes para que as agências de saúde do mundo inteiro atestem tratamentos como eficazes e, claro, como não nocivos à saúde.

Não me refiro a efeitos colaterais leves e temporários, mas aos graves e incapacitantes.

A pandemia do Covid 19, entretanto, é algo inesperado, grave e emergencial, o que certamente exige atitudes igualmente emergenciais.

Por isso, muitas pessoas inteligentes, racionais e não negacionistas podem ficar em dúvida e, até mesmo, recusarem-se tomar, visto que se trata de uma medida profilática produzida de forma emergencial, o que transforma todos nós, de uma certa forma, em cobaias humanas de um experimento científico.

Pela consulta que fiz aos critérios de vacinação, ainda demora muito para que chegue a minha vez. Mas pessoas muito amadas de minha família, amigas e amigos muito queridos, terão de decidir, de forma rápida, se tomam ou não.

Isso sem contar que, como ser humano que sou, provido de sentimentos, morro um pouco, a cada dia, cada vez que são divulgadas as estatísticas das pessoas que falecem em virtude desse terrível vírus.

Sei que existem pessoas não vão querer tomar a vacina por conta da confusão que está o Brasil, da falta de explicação, e do uso político e mesquinho que alguns dela fazem.

Não o farão, não necessariamente por serem negacionistas, mas por serem incrédulos, ou por estarem mal informados.

Poucos, realmente, deixarão de tomar por serem idiotas ou burros, como o é aquele que, ao invés de informar, agride quem deveria ser esclarecido.

Se me perguntassem, todavia, se eu tomarei a vacina, quando chegar a minha vez, eu, com a humildade e tranquilidade dos que sabem dar o valor à vida, diria: eu não sei!

Não sei realmente se temos a vacina ideal. Não tenho ciência dos dados dos países onde tais vacinas estão sendo ministradas.

Se a mortalidade está sendo reduzida, se as taxas de transmissão estão caindo, ou se se registraram efeitos colaterais graves.

Quem deveria informar parece estar ocupado em desestabilizar o mundo, que já se encontra em um grande estado caótico de dor, tristeza, miséria e confusão.

O que posso afirmar, com toda a minha convicção, a todos que me perguntarem sobre o tema, se devem ou não tomar a vacina, é que nunca devemos tirar das pessoas o direito sagrado à sobrevivência.

Principalmente o ainda mais sagrado direito de tentar.
Muito obrigado!

André Mansur Brandão

André Mansur Brandão
Diretor-Presidente / Advogado / Escritor

Veja Mais

Crônica escrita por André Mansur

O VENTO CONTRA O SUOR!

A história que vou contar-lhes agora aconteceu em minha cidade-natal, Belo Horizonte. Eu tinha por volta de quatorze anos de idade. Pouco mais, pou...

2022 VAI SER DEMAIS

NOSSA MAIOR CONQUISTA NO ANO QUE SE FINDA, FOI TER VOCÊS AO NOSSO LADO! E olha que o ano ainda nem terminou. Temos muito, muito mesmo pela frente. ...

Deixe seu comentário